Autismo


Quando os pais recebem o diagnóstico de Autismo o que fazer? 

 

Uma família que recebe um diagnóstico médico de autismo passa, a saber, que aquele quadro ambíguo, aquele “algo errado” que percebia junto a tantas integridades em seu filho (a), é um sério comprometimento individual.

Algumas famílias se agarram à fé, outras à ciência, outras tentam fugir da realidade a qualquer custo, e na maioria passa por todas essas formas de enfrentamento da situação.

A experiência de pais e educadores de autistas constatou a importância de três caminhos a ser CONSCIENTEMENTE buscados pelas famílias que se deparam com a questão do autismo em suas vidas:

CONHECER a questão do autismo
ADMITIR a questão do autismo
BUSCAR apoio

A acomodação familiar a esta nova situação, cada família vai enfrentar a sua realidade que se apresenta diferente de tudo o que sonhou de modo construtivo.

 

Passos que podem ajudar

Informe-se ao máximo. Entenda o diagnóstico do seu filho.
Não tenha receio de fazer ao seu médico todas as perguntas que lhe vierem à cabeça.
Leia os critérios diagnósticos disponíveis e discuta-os com o médico.
Informe-se através de leituras dos sites disponíveis na internet.
Converse com outras famílias que tenham passado por situação semelhante.

 

Permita-se sofrer.

É natural que no momento do diagnóstico de autismo seja um momento doloroso. Nesta hora, você não está perdendo fisicamente seu filho, mas está perdendo, com certeza, parte de seus sonhos e planos para seu filho, o que é extremamente doloroso. Com o tempo você vai poder criar novos sonhos e outros objetivos vão surgir, tão importantes e desafiadores como os primeiros, mas de inicio é importante permitir-se desmoronar. Cada pessoa desmorona de forma diferente. Algumas o fazem sem lágrimas, procurando ocupar-se freneticamente. O tempo também varia, algumas pessoas conseguem levantar-se mais rápido que outras. Outras precisam de mais tempo para processar seus sentimentos. Você pode pensar que necessita ser forte para apoiar seu cônjuge ou outros filhos, mas para isso é necessário primeiramente ser honesto acerca dos próprios sentimentos.

Procure a sua própria fonte de apoio, que pode ser um psicólogo, um religioso, um amigo ou alguém da família.

 

Lembre-se: O AUTISMO É PARA SEMPRE, mas não é uma sentença de morte. Você não fez nada para que isto acontecesse, mas poder fazer muito para melhorar as perspectivas de vida de seu filho.

Você pode escolher se vai ficar parado ou caminhar, se vai esperar ou agir. Portanto, respeite seu tempo; mas depois … mãos à obra.

 

Reaprenda a administrar seu tempo.

Você precisa organizar a sua vida para continuar investindo em planos em relação a você mesmo e para poder oferecer todas as oportunidades necessárias a seu filho.

Se for uma pessoa muito ocupada, tente encontrar ajuda para cuidar de seu filho, mas lembre-se que é muito importante que você entenda com profundidade as propostas da opção terapêutica e educacional que você escolheu e que você acompanhe muito de perto a evolução de seu filho.

 

Por último, evite:

Todos que lhe acenarem com curas milagrosas.
Todos que atribuírem a culpa do autismo aos pais.
Todos os profissionais desinformados.

PARA DIRIMIR QUALQUER DÚVIDA, ENTRE EM CONTATO:
contato@cdpsicologia.com.br | (11) 2272-2521